Introdução ao Nage-no-kata

O Nage-no-kata, também chamado de “Randori-no-kata“, foi adotado em Abril de 1960 para ajudar os praticantes de Judô a entenderem os princípios das técnicas básicas do Nage-waza usadas em um Randori.

Composto por três técnicas retiradas do Te-waza, Koshi-waza, Ashi-waza, Ma-sutemi-waza e Yoko-sutemi-waza é executado demonstrando a aplicação de esquerda e direita de cada golpe.

A base das técnicas de arremesso do Nage-no-kata são adquiridas após a prática do Kuzushi (desequilíbrio), Tsukuri (preparo), Kake (projeção) pelo Tori (quem aplica) e a forma correta de receber cada técnica, de responsabilidade do Uke (quem recebe).

Nomes e ordem das técnicas do Nage-no-kata:

  1. Te-waza:

    • Uki-otoshi

    • Seoi-nage

    • Kata-guruma

    •  

  2. Koshi-waza:

    • Uki-goshi

    • Harai-goshi

    • Tsurikomi-goshi

    •  

  3. Ashi-waza:

    • Okuri-ashi-harai

    • Sasae-tsurikomi-ashi

    • Uchi-mata

  4. Ma-sutemi-waza

    • Tomoe-nage

    • Ura-nage

    • Sumi-gaeshi

  5. Yoko-sutemi-waza

    • Yoko-gake

    • Yoko-guruma

    • Uki-waza

 

 

Considerações para a prática do Nage-no-kata:

Ambos Tori e Uke se posicionam para executar o Kata no centro do Dojo sem realizar nenhuma pausa, embora o kata seja dividido em 3 movimentos, para facilitar a explicação e entendimento.

É importante estar atento ao Judogi durante a realização de cada série, sempre fazendo uma pequena pausa ao final de cada uma delas para ajustar a vestimenta.

É importante que o Tori e o Uke estejam em harmonia durante a execução do kata e, principalmente, nos momentos após arrumar o Judogi, evitando dar as costas ao Shomen no momento de virar para iniciar uma nova série.